Bem-vindo ao blogue do Centro de Língua Portuguesa do Camões, IP na Universidade da Extremadura /Cáceres

Bienvenido al blog del Centro de Lengua Portuguesa del Camões, IP en la Universidad de Extremadura /Cáceres




30/11/16

Novidades no CLP/C

Uma das  aquisições do CLP/C deste ano  é a última obra do prémio nobel, José Saramago, Alabardas

Aquando do seu falecimento, em 2010, José Saramago deixou escritas trinta páginas daquele que seria o seu próximo romance; trinta páginas onde estava já esboçado o fio argumental, perfilados os dois protagonistas e, sobretudo, colocadas as perguntas que interessavam à sua permanente e comprometida vocação de agitar consciências.

Saramago escreve a história de Artur Paz Semedo, um homem fascinado por peças de artilharia, empregado numa fábrica de armamento, que leva a cabo uma investigação na sua própria empresa, incitado pela ex-mulher, uma mulher com carácter, pacifista e inteligente. 

A evolução do pensamento do protagonista permite-nos refletir sobre o lado mais sujo da política internacional, um mundo de interesses ocultos que subjaz à maior parte dos conflitos bélicos do século xx.


Dois outros textos - de Fernando Gómez Aguilera e Roberto Saviano - situam e comentam as últimas palavras do Prémio Nobel português, cuja força as ilustrações de um outro Nobel, Günter Grass, sublinham.

Uma das obras mais conhecidas de Jorge Amado, Capitães de Areia, também foi adquirida recentemente.

Capitães da Areia é o livro de Jorge Amado mais vendido no mundo inteiro. Publicado em 1937, teve a sua primeira edição apreendida e queimada em praça pública pelas autoridades do Estado Novo.
Em 1944 conheceu nova edição e, desde então, sucederam-se as edições nacionais e estrangeira, e as adaptações para a rádio, televisão e cinema. 
Jorge Amado descreve, em páginas carregadas de grande beleza e dramatismo, a vida dos meninos abandonados nas ruas de São Salvador da Bahia, conhecidos por Capitães da Areia.




25/11/16

A opinião dos usuários


O usuário Luis García Bermejo leu o livro "A Voz da Terra" de Miguel Real e deixou-nos a sua opinião!

Obrigado, Luis!



 Romance histórico cujas personagens pertencem ao século XVIII, em 1755, altura em que Portugal é abalado por dois acontecimentos muito importantes, sendo o primeiro acontecimento o terramoto de 1 de novembro de 1755, que destruiu a vida e o orgulho dos habitantes de Lisboa, derrubada pela “Voz da Terra” com tremores repetidos, incêndios por toda a cidade com labaredas e colunas de fumo até às nuvens, e a seguir, a invasão do mar através do rio Tejo com ondas gigantescas de água que arrastavam tudo o que ficava na sua passagem.

O segundo motivo é o início da independência do Brasil, a começar por Pernambuco, assunto político encarregado ao senhor Júlio Telles Fernandes, rico comerciante brasileiro, para ser tratado com o senhor Sebastião José de Carvalho de Melo, primeiro-ministro de el-rei José I.
A presença do senhor Júlio Telles Fernandes em lisboa tinha ainda outros motivos:

Convencer os comerciantes lisboetas e portugueses em geral a investirem em projetos comerciais, comércio com o açúcar de cana do Brasil, criação de indústrias de faiança própria portuguesa e também transmitir um legado ao povo judeu brasileiro, a uma mulher – Violante Dias, prima da falecida mulher que consistia num anel que desde há muito passava de geração em geração. Violante Dias nessa altura era vigiada na cadeia da Inquisição em Lisboa por frades da Ordem dos Dominicanos, acusada de práticas de judaísmo.  

É evidente na “Voz da Terra” a importância da influência da Igreja Católica que, unida ao poder civil de el-rei e do primeiro-ministro nessa altura o todo-poderoso Marquês de Pombal atribuiu a desgraça causada pelo terramoto aos pecados do povo lisboeta.

Por esse motivo, a Igreja organizou procissões, rezas do terço e outros atos públicos de arrependimento coletivo e ao duvidou em agonizar os considerados culpáveis de qualquer desordem em fogueiras para exemplo das pessoas boas e crentes. Unida a essas execuções, refere-se na “Voz da Terra” a vingança do primeiro-ministro contra a nobreza portuguesa instigadora do atentado contra el-rei.

Do que mais gostei da “Voz da Terra” foi a linguagem muito rica em matizes lexicais, em imaginação, na estrutura dos capítulos e na perfeição do texto, escrito no século XXI com um estilo próprio do século XVIII.
Alguns dos capítulos são impressionantes, nomeadamente “auto de Fé”, que é um dos mais aberrantes pela atrocidade.







17/11/16

Conferência "O Triângulo Estratégico do Atlântico"

 
 
 
O CLP/C informa que no próximo dia 23 de novembro de 2016 vai decorrer, em Cáceres, na Faculdade de Filosofia e Letras da Universidade da Extremadura, a conferência "O Triângulo Estratégico do Atlântico".
A participação é gratuita, no entanto sujeita a prévia inscrição.
Pode consultar o programa e realizar a inscrição em:

15/11/16

Novidades no CLP/C

Aterraram dois livros  no CLP/C A porteira, a madame e outras histórias de portugueses em França de Joana Carvalho Fernandes e Equador de Miguel Sousa Tavares, também adaptado cinematograficamente. 

Capa do livro
França é o país estrangeiro onde vivem mais portugueses. São quase 600 mil. 

Se contarmos com os descendentes, são mais de um milhão. Este livro dá rostos a esses números: conta histórias dos que partiram para combater na Primeira Guerra e decidiram ficar, dos que fugiram da ditadura, da miséria e da Guerra Colonial e não voltaram, e dos que deixaram o Portugal da Troika.

Em 50 anos, os portugueses em França tornaram-se dirigentes associativos, culturais e desportivos, autarcas e empresários (alguns milionários). 

Os seus descendentes foram ainda mais longe: são deputados, embaixadores e até conselheiros de Presidentes da República.




Capa do livro

Equador, o primeiro romance de Miguel Sousa Tavares, foi inicialmente publicado em 2003 e rapidamente se transformou num dos maiores "best-sellers" da literatura portuguesa, com mais de 300.000 exemplares vendidos em Portugal.

Este livro tem, atualmente, traduções em inglês, holandês, espanhol, catalão, francês, italiano, alemão, grego, checo, servo-croata e bósnio, estando presente em mais de vinte países. 

Atingiu os tops de vendas no Brasil e venceu a 25.ª edição do Prémio Literário Grinzane Cavour para o melhor romance estrangeiro editado em Itália. 




11/11/16

São Martinho


No dia 11 celebra-se em Portugal o dia de São Martinho. Este santo é conhecido por quase toda a Europa devido à sua lenda, da qual já falámos num post anterior .
Mas, como foi a vida desta personagem tão característica da cultura portuguesa e europeia?


Martinho de Tours nasceu na cidade de Savaria (atualmente na Hungria) por volta do ano 316.
Filho de um comandante romano,cresceu em Itália,desligado da religião cristã. 

Assim como o seu pai, seguiu a carreira militar e foi convocado para o exército romano aos quinze anos, viajando assim por todo o Império Romano de Ocidente. 










Na adolescência descobriu o Cristianismo e em 356 foi batizado. Tornou-se discípulo de Santo Hilário, bispo de Poitiers que o ordenou diácono e presbítero.
Na Gália fundou em 371 o mosteiro de Marmoutier que é, até à data, o mosteiro mais antigo da Europa, onde vivia em reclusão.
Além da fundação do mosteiro ele também fundou algumas das primeiras igrejas rurais da região da Gália, onde atendia tanto a ricos como a pobres. 
Morreu a 11 de novembro em Tours.










No âmbito dass celebrações da festividade de São Martinho encontramos vários provérbios na língua portuguesa, como:
  • No dia de S. Martinho, come-se castanhas e bebe-se vinho. 
  • No dia de S. Martinho, lume, castanhas e vinho. 
  • No dia de S. Martinho, mata o teu porco, chega-te ao lume, assa castanhas e prova o teu vinho. 
  • No dia de S. Martinho, mata o teu porco e bebe o teu vinho. 
  • No dia de S. Martinho, vai à adega e prova o teu vinho.

Não só a celebração mas também a própria lenda trouxe um conhecido provérbio: 
  • Verão de S. Martinho säo três dias e mais um bocadinho.

09/11/16

Vergílio Ferreira no CLP/C

Vergílio Ferreira

O conhecido escritor e professor gouveense escreveu uma vasta obra dividida em: ficção (romance e conto), ensaio e diário agrupada em dois periodos literários: Neorrealismo e Existencialismo.
As três obras existentes no CLP/C são romances e contos.

Sinopses

O despertar para a vida de uma criança, entre a austeridade da casa senhorial de D. Estefânia, a sensualidade da sua aldeia natal e o silêncio das paredes do seminário. 
Um jovem seminarista de 12 anos, é obrigado a ir para o seminário. E a história desenrola-se em torno das vivências e sentimentos que o jovem seminarista vai experimentando.
Num ambiente negro, triste, ríspido e severo do seminário, o jovem descobre-se e descobre o mundo que o rodeia: a repressão na educação, a pobreza da sua terra, as desigualdades sociais, o desejo do seu corpo, a camaradagem, a amizade, o amor.









Um dos livros mais emblemáticos da obra vergiliana. Alberto Soares, a personagem central, rememora o ano em que deu aulas em Évora. 
E as pessoas que conheceu e que, de alguma maneira, contribuíram para a consolidação das suas teorias sobre a existência: Sofia, como quem manteve uma relação erótica tumultuosa, e as suas irmãs, Ana e Cristina. Carolino que, por ciúmes, tenta matar Alberto, mas acaba matando Sofia. Cristina, a irmã-criança de Sofia, também morre.













Vergílio Ferreira, escrevendo no Portugal de Salazar, descreve um país ancorado nos confins dos tempos e que permaneceu inalterado quase até aos nossos dias.

Frases magníficas, num português sem rugas, mas que nos introduzem afinal num mundo primitivo, com as suas anacrónicas noções de honra e os seus insólitos rituais de inspiração bíblica.
O Vergílio Ferreira-contista nada fica a dever ao Vergílio Ferreira-romancista: em qualquer dos casos é sempre um vulto maior das nossas letras.




08/11/16

O Camões, I.P. no programa "La Tarde Contigo" do Canal Extremadura Rádio

"La tarde contigo" é um magazine apresentado por  Esther Sánchez Lázaro e José María Da Silva que estreou novo formato no dia 7 de novembro.

O programa do Canal Extremadura Rádio dedica, à segunda-feira (entre as 16h e as 17h),  um espaço à língua e cultura portuguesas.
Este tempo de antena tem como objetivo continuar a estreitar os laços entre a Extremadura e Portugal.
"La Tarde Contigo" conta com uma tertúlia dedicada a Portugal e a assuntos do quotidiano português.
O Camões, Instituto da Cooperação e da Língua participa neste espaço através da colaboração da leitora e responsável pelo Centro de Língua Portuguesa / Camões em Cáceres, Raquel Gafanha.

Ouça aqui o primeiro programa


02/11/16

Novo autor no CLP/C

José António Afonso Rodrigues dos Santos conhecido
como José Rodrigues dos Santos.
José Rodrigues dos Santos é um jornalista, correspondente de guerra, professor universitário e escritor português que atualmente apresenta o Telejornal na RTP1. 
Mesmo que em Portugal Rodrigues dos Santos seja mais conhecido como jornalista, nos últimos tempos converteu-se num dos escritores portugueses mais lidos. 
No CLP/C dispomos de três dos seus romances: A ilha das trevas, O Codex 632 e A vida num sopro.


Paulino da Conceição é um timorense com um terrível segredo. Assistiu, juntamente com a família, à saída dos portugueses de Timor-Leste e a todos os acontecimentos que se seguiram, tornando-se um mero peão nas circunstâncias que mediaram a invasão indonésia de 1975 e o referendo de 1999 que deu a independência ao país.

Só há uma pessoa a quem Paulino pode confessar o seu segredo - mas terá coragem para o fazer?
A vida e tragédia de uma família timorense serve de ponto de partida para aquele que é o romance de estreia de José Rodrigues dos Santos,

Um romance pungente onde a ficção se mistura com o real para expor, num ritmo dramático, poderoso e intenso, a trágica verdade que só a criação literária, quando aliada à narrativa histórica, consegue revelar.



Baseado em documentos históricos genuínos, este romance transporta-nos numa surpreendente viagem pelo tempo, uma aventura repleta de enigmas e mitos, segredos encobertos e pistas misteriosas, aparências enganadoras e factos silenciados, um autêntico jogo de espelhos onde a ilusão disfarça o real para dissimular a verdade. Uma obra admirável que não se consegue parar de ler!













Portugal, anos 30.

Salazar acabou de ascender ao poder e, com mão de ferro, vai impondo a ordem no país. Portugal muda de vida. As contas públicas são equilibradas, Beatriz Costa anima o Parque Mayer, a PVDE cala a oposição.

Luís é um estudante idealista que se cruza no liceu de Bragança com os olhos cor de mel de Amélia. O amor entre os dois vai, porém, ser duramente posto à prova por três acontecimentos que os ultrapassam: a oposição da mãe da rapariga, um assassinato inesperado e a guerra civil de Espanha.

Através da história de uma paixão que desafia os valores tradicionais do Portugal conservador, este fascinante romance transporta-nos ao fogo dos anos em que se forjou o Estado Novo.
.

26/10/16

30 anos na Europa. Espanha e Portugal: 1986-2016




Para comemorar a adesão de Espanha e Portugal à União Europeia o centro Europe Direct da Câmara Municipal de Cáceres está a promover um concurso.

O concurso chamado "30 anos na Europa. Espanha e Portugal. 1986-2016" divide-se em três categorias: fotografia, conto e banda desenhada. 
Podem concorrer trabalhos tanto em português como em espanhol até ao dia 18 de novembro, sempre que se trabalhe o tema proposto.
Os participantes devem ser maiores de idade, independentemente da sua nacionalidade ou local de residência, exceto os da categoria de banda desenhada pois esta aceita a participação de jovens,
Os melhores trabalhos serão publicados e a entrega de prémios far-se-á na comemoração do Dia da Europa, 9 de maio.


25/10/16

João Botelho presta homenagem ao cinema de Manoel de Oliveira


À esquerda João Botelho, à direita Botelho junto a Manoel de Oliveira (no papel de padre)
na rodagem de Conversa acabada


João Botelho, cineasta português, estreou o documentário "Manoel Oliveira e eu" onde realiza uma homenagem a Oliveira, percorrendo a sua obra.No filme além do percurso pela obra, Botelho fala da sua relação com Oliveira, de tudo o que aprendeu com ele e inclui no meio do filme a adaptação de uma obra que Oliveira não conseguiu filmar: A rapariga das luvas.

Manoel de Oliveira na ceremónia da Ordem Nacional da Legião de Honra
onde recebeu o título de Grande-Oficial
Manoel de Oliveira, falecido em 2015, foi um dos cineastas portugueses mais importantes tendo realizado 32 longa-metragens.
A sua carreira começou com o filme documental Douro, Faina fluvial (1931) estreado em Lisboa. Este documentário foi o primeiro a tratar do ponto de vista etnográfico o tema da vida marítima em Portugal.
Em 1933, participou como ator no filme sonoro A Canção de Lisboa, de Cottinelli Telmo. 
Em 1942, volta-se a colocar atrás das câmaras  para adaptar ao cinema o conto Os Meninos Milionários, de João Rodrigues de Freitas , retrato de infância no ambiente cru e pobre da Ribeira do Porto. 
Em 1963, une o documentário e a ficção no filme O Acto da Primavera, partidário da corrente da Antropologia Visual no Cinema.
A sua obra interrompe-se até 1971 quando volta com o Passado e o Presente, trabalhando a partir desse momento, ininterruptamente durante 3 décadas.

Para mais informação sobre o documentário visite o seguinte link:




Jornadas de Atualização Docente - ESTIMULAR A CRIATIVIDADE EM PL2 - 21 e 22 de outubro de 2016

Decorreram nos dias 21 e 22 de outubro as Jornadas de Atualização Docente na cidade de Badajoz.

Estas Jornadas, organizadas pela CEPE Espanha / Andorra, pelo CLP/C em Cáceres e pelo CPR de Badajoz, contaram com a presença da Margarida Fonseca Santos e da Paula Isidoro.

Ao longo da formação, foram desenvolvidas estratégias para estimular a criativdade em PLE e todos aprendemos que a brincar com coisas sérias também é possível ensinar e aprender.

Obrigado a todos os que tornaram possível estes momentos de aprendizagem!




















17/10/16

17.ª edição do SeixalJazz







A 17.ª edição do SeixalJazz está de volta nos dias 21, 22, 26, 27, 28 e 29 de outubro de 2016, e apresenta um programa com alguns dos músicos mais promissores da atualidade, continuando a aposta na diversidade de estilos e de gerações do jazz.

O Auditório Municipal do Fórum Cultural do Seixal é novamente o palco do SeixalJazz, que é o espaço principal do festival desde a primeira edição.



Mais informações em

11/10/16

Exposição "Potencial económico da língua portuguesa" em Olivença



Na sexta feira passada, decorreu em Olivença a inauguração da exposição "Potencial económico da língua portuguesa" no Museo Etnográfico González Santana.






Durante o dia, a leitora do Camões, IP na Universidade da Extremadura e responsável pelo CLP/C em Cáceres esteve no Instituto de Educación Secundaria Les Puente Ajuda e no Colegio Del Sagrado Corazón de Olivenza para uma conversa informal com alunos de português sobre a importância da língua portuguesa no mundo.













10/10/16

Jornadas de Atualização Docente de Português em Badajoz


Estimular a Criatividade no PLE
O Centro de Língua Portuguesa do Instituto Camões/IP informa que terão lugar nos dias 21 e 22 de outubro, no CPR de Badajoz, as Jornadas de Atualização Docente de Português,  subordinadas ao tema "Estimular a Criatividade no PLE".

Estas Jornadas são organizadas pela Coordenação de Ensino do Português em Espanha e Andorra,  pelo Centro de Língua Portuguesa/CamõesIP na Universidad de Extremadura e pelo Centro de Profesores y Recursos de Badajoz. Embora só se possam inscrever formalmente os professores associados ao CPR,  é possível assistir mediante contacto com o Centro de Língua Portuguesa, estando a participação limitada a 60 pessoas. As inscricões estão  abertas até dia 18 de outubro de 2016 através de

07/10/16

Joan Miró: Materialidade e Metamorfose



A Fundação de Serralves inaugurou (a 30 setembro) a exposição de Joan Miró.


A exposição inclui um total de 85 obras de Miró, datadas entre 1924 e 1981, entre as quais se encontram desenhos e outras obras sobre papel, pinturas (com suportes distintos), seis tapeçarias de 1973, uma escultura, colagens, uma obra da série "Telas queimadas" e várias pinturas murais.
As obras de Joan Miró, propriedade do Estado Português, são mostradas ao público pela primeira vez na Casa de Serralves. Esta exposição, designada ‘Joan Miró: Materialidade e Metamorfose’, é comissariada por Robert Lubar Messeri, destacado especialista mundial na obra de Miró.
 O pensamento visual de Miró, o modo como trabalha com sensações que variam entre o táctil e o ótico e os processos de elaboração das suas obras são observados em detalhe.





A fundação de Serralves será a nova casa da coleção Miró.



Para mais informações

http://www.serralves.pt/documentos/exposicoes/infoJoanMiroSerralves_PT.pdf

06/10/16

Exposição "Potencial económico da língua portuguesa"



A exposição continua a percorrer a Extremadura!


Agora em Olivenza, e a inauguração é no dia 7 de outubro, às 18h30, no Museu Etnográfico González Santana de Olivenza.

05/10/16

Implantação da República - 5 de outubro de 1910






No dia 5 de outubro comemora-se  a Implantação da República, no ano de 1910, em Lisboa.

Esta ação foi levada a cabo por um movimento de cidadãos apoiantes do republicanismo nacional. Chefiados por Teófilo Braga, os cidadãos procederam a um golpe de estado, destituíram a monarquia constitucional e implantaram o regime republicano.
Após a proclamação da República foi criado um governo provisório chefiado por Teófilo Braga. Em agosto de 1911, foi aprovada uma nova Constituição, tendo início a Primeira República Portuguesa.
O primeiro Presidente da República foi Manuel de Arriaga, eleito pelo Parlamento a 24 de agosto de 1911.
Com esta mudança foram alterados alguns símbolos do país como o hino e a bandeira nacional, que passou de azul e branca para verde e vermelha.



Bandeira da Monarquia
Bandeira da República